Hino à Lua

Para que nasce o Sol
senão para anunciar a morte da Lua?

Os olhos cerram-se ao cair da noite.
As lágrimas não pretendem cair,
mas almas tristes não contêm
o choro pela Lua.

O dia pode nascer azul,
para quem sonha com os anjos…
rosa em dias perfeitos.
Mas o mar não se cansa de pedir
para que volte a nascer a Lua.

As palavras contam-se
infindáveis para quem ama.
A madrinha será certamente
uma esplendorosa Lua.

Trajes negros enfeitam as mentes
de quem vive o dia com sofrimento.
O choro pede-se
sentido e com muita alma.
O sacrifício é indispensável
para o retorno da Lua.

Amantes escondem-se
para sofrer em silêncio.
A noite faz parte do
dilema da existência:
beijar o Sol
ou venerar a Lua?

Corpos suados e cansados
estendem-se para morrer diante do Sol.
O renascimento
é indispensável… com a Lua.

Para que serve o pôr-do-sol
senão para anunciar o
regresso da bem-amada Lua?


17 de Setembro de 1999

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A última vez | The Last Time

Desabafo de pouca monta, ou As voltas que esta cabeça dá: