Nasceu um anjo

Gostava de ser uma pena e pousar nos teus olhos. Voar nos teus pensamentos e sonhos azuis. Contemplar o teu cabelo de anjo, o teu rosto de mar.
Conseguiste arrebatar os meus suspiros, o meu ar, a minha sombra. Destino-te os meus derradeiros beijos.
O olhar de veludo. O toque de seda. Tudo o que me lembro de ti. Tudo o que sempre quis.
Aprendi o que sei por te querer. O Sol, a Lua, as estrelas, as sereias. Até mesmo os vampiros se escondem por detrás do teu sorriso.
Prende-nos uma maravilhosa e fria prisão de cristal. Que me assusta e fascina. Não quero ser livre. Quero ser tua.
“Penso em ti. Quando eras um estranho. Hoje somos um. Voltarias atrás? Eu sim. Não sei. Não me perguntes porquê.
Continuo a amar-te desmedidamente. É mais forte do que eu. Puxa-me. Liberta-me.
Devorei-te. Senti o teu sangue. Tenho sede. Volta para mim.”
6 de Janeiro de 1997

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A última vez | The Last Time

Desabafo de pouca monta, ou As voltas que esta cabeça dá: