Sinais do Tempo

Hoje, quando te deitares para dormir,
deixa a porta do coração aberta.
Deixa-me aninhar no teu abraço…
Quando fechares os olhos,
fecha bem a porta e deita a chave fora.
Quero esconder-me no paraíso que é amar-te.

Não esqueço o teu sorriso,
Não esqueço o teu olhar,
O teu toque, o teu beijo.
Não quero nunca deixar escapar esta doçura
que fica quando me deito e penso em ti,
quando durmo e acordo no sonho de te querer.
É um jardim perfumado com imagens de mel
este sonho que me faz sorrir.

Hoje, quando te deitares para dormir
beija a Lua e abraça o Sol.
Estarei à tua espera numa estrela para partir contigo…
Em direcção ao paraíso que é amar-te.

A tua voz traz-me de volta ao mundo.
Os pesadelos rendem-se quando te ris.
Não deixes voltar os lobos, as hienas, as feras.
Fiquemos só nós neste sonho acordado…
Protege-me e guarda-me do mundo.
Sejamos só nós a saber do nosso amor.

Hoje, quando te deitares para dormir,
acorda o anjo que te guarda.
Pede-lhe que te traga a nuvem mais distante
Para nela me levares a visitar o nosso futuro.
Galgaremos as ondas, atravessaremos todos os mares.
Em direcção ao paraíso, que é ficarmos juntos…

Amei-te, amo-te, e amar-te-ei até ao último dia da minha vida
Sei hoje que fazes parte de mim,
do meu passado,
da minha alma,
da minha existência.

Hoje quando me deitei para dormir, pensei:
Amar assim é viver com os sentidos embriagados em mil perfumes exóticos,
É ter estrelas cadentes no coração, o fogo no olhar,
É desejar percorrer um mundo para te ver, para te ouvir.
É querer-te sempre perto de mim, e sorrir…

Abriga-me, acolhe-me… e ama quem eu sou.


Outubro de 2003

Comentários

Anita disse…
Por momentos até eu me senti apaixonada, "embriagada por mil perfumes exóticos"... O meu pensamento voou para lá do real!

Mensagens populares deste blogue

A última vez | The Last Time

Desabafo de pouca monta, ou As voltas que esta cabeça dá: