O Mundo em que vivemos

Há muito que penso no que hei-de escrever, e, afinal, no que tenho para dizer. Hoje, o que me faz ter algo para dizer, e para escrever, é um descontentamento. Permanente e atroz. Porque o Mundo está virado do avesso. Porque nada do que eu acredito é posto em prática. Chego mesmo a contestar a veracidade dos princípios que me movem. Chego mesmo a pensar se haverá mais alguém que pensa da mesma forma que eu. Falo com amigos, familiares, conhecidos e não tão conhecidos. Pessoas que cruzam o meu caminho e vivem as suas vidas, mais ou menos descontentes. Todos têm algum descontentamento. Não conseguem ser felizes. Nem eu própria, que sigo (com muito custo) os princípios em que acredito.
Cruzo, esporadicamente, com pessoas que compartilham o meu ponto de vista. E vejo alguma luz ao fundo do túnel. Bem difusa, bem vaga. Mas eu sei que ela existe e brilha com força no pequeno espaço que lhe está reservado na vida de cada um. É nessa altura que ponho a minha táctica de persuasão em prática. Porque não acreditarmos todos nos mesmos princípios e tentarmos fazer deste Mundo virado do avesso, um lugar onde todos podem expressar a sua opinião, desde que sincera? Porque não olharmos para dentro de nós e admitirmos o bom e o mau? Porque não gostarmos de nós porque não pertencemos ao perfeito nem ao imperfeito? Porque não sermos perfeitos na nossa imperfeição?

Bárbara
3 de Junho de 2005

Comentários

Anónimo disse…
Acho que deves continuar. Muito bem escrito e pontuado a meu ver, para não falar no conteúdo.
Mãe
M.Pedrosa disse…
As tuas interrogações são sobre o SER e hoje toda a gente se interroga sobre o TER. É bom que alguém consiga interrogar-se dessa maneira
Nietzschean disse…
Bem, acho que o teu texto é muito abstracto e tenho a certeza que cada pessoa irá tirar as suas conclusões daqui. Pessoalmente, este teu pequeno texto fez-me lembrar de uma discução que eu e mais 3 amigos meus tivemos à uns meses num bar aqui da terra. Estavamos a discutir o direito que os EUA tinham em invadir o Iraque e impor a democracia no povo... não conseguiamos chegar a um acordo.. até que a certo ponto da discução eu disse: "Se nós os 4 não conseguimos chegar a um acordo sobre isto imaginem o mundo todo."
O mundo nunca irá estar em paz completa enquanto as pessoas nao se souberam respeitar umas às outras. Desde que tu faças a tua parte... só tens é que te sentir bem com isso. Não há mais nada que possas fazer, não queiras puxar mais do que podes. ;)

o teu amigo para toda a vida,

Nietzschean
Rita disse…
são as eternas dúvidas que nos assolam e nos permitem estar vivos : ) bonito texto. : )

Mensagens populares deste blogue

A última vez | The Last Time

Desabafo de pouca monta, ou As voltas que esta cabeça dá: