A família

A instituição familiar é, para muitos, um direito adquirido e uma verdade inabalável. Pergunto-me várias vezes se essa mesma instituição familiar não retira às pessoas a liberdade necessária para pensarem por si próprios, para serem verdadeiramente independentes. A verdade é que a família que me criou, ou a ausência dela, fez de mim uma pessoa liberal e independente. Sempre pensei por mim, sempre vi o mundo com os meus olhos. E o que mais natural seria, senão aceitar as diferenças individuais de quem me rodeia, e as diferenças colectivas de quem constitui uma verdadeira família? Porque todos somos diferentes, porque todos vemos o mundo com olhos diferentes. A individualidade é um bem precioso, quase extinto. Não fosse pela sociedade consumista e seria bem possível não conseguir distinguir a classe social a que pertencem as pessoas só pela maneira de vestir. Não fosse pela família e não existiriam jovens perpetuando ideias, muitas vezes, disparatadas. Devemos a nós próprios o direito à individualidade, o direito ao pensamento livre, a necessidade de dúvidas existenciais que nos tiram o sono.

17 de Agosto de 2005

Comentários

Leston Bandeira disse…
O direito à individualidade, à liberdade, é o primado fundamental do nosso tempo, da nossa civilização, mas é necessário saber que esse, como todos os outros, não veio do céu. É preciso - e às vezes urgente - lutar por ele.

Leston

Mensagens populares deste blogue

A última vez | The Last Time

Desabafo de pouca monta, ou As voltas que esta cabeça dá: