quinta-feira, agosto 25, 2005

Regresso

Escrevo porque me doem os dedos das palavras não ditas. Sei que, no silêncio, ouvirás o grito da minha alma e que, apesar da distância sentirás.
Escrevo porque o dia nasce e a lua sorri aos sonhos que me enviaste. Quero relembrar a estrela cadente que senti e me falou de dias distantes. A promessa de lugares de sonho e murmúrios encantados. A memória do meu coração guarda as pedras mais antigas, os mares mais profundos, as sedas mais delicadas, os cabelos perfumados.
Escrevo para que a recordação se manifeste. Para sentir de novo a dança das histórias mais antigas no meu corpo. Para que o céu seja do azul mais intenso, para que os lagos sejam do verde mais profundo.
Escrevo para que a ânsia de regressar não me abandone. Para que a tua presença não se afaste.
Escrevo para evitar a morte de um sonho de uma noite de promessa.

24 de Agosto de 2005

1 comentário:

Leston Bandeira disse...

Bem vinda, Pandora. E que as palavras não ditas te continuem a doer nos dedos para termos o privilégio de as ler.

A última vez | The Last Time

Um dia destes, é tarde demais. Um dia destes, …acordamos com a cabeça branca, e arrependemo-nos de todos os minutos desperdiçados, ...