A crónica da ruiva

A ruiva é uma espécie em vias de extinção. São tão raras e tão poucas que, quando passa uma na rua, todos olham, e quando se conhece uma ruiva, não se fala de outra coisa. Depois da bela da loira (aquela espécie que tem toda a fama, embora só uma reduzida parte deve ter o proveito), deve ser a espécie feminina que mais olhares sequiosos conquista. E se fossem mais, perderiam a graça.
Não sei o que é que a cor do cabelo faz às pessoas, mas neste caso é também a cor da pele. São muito branquinhas, invariavelmente com sardas. Será que a razão da sua fogosidade está na cor do cabelo e na cor da pele? Isso justifica porque é que há tanta gente a pintar o cabelo de vermelho (que, entenda-se, não é ruivo). As aspirantes a ruivas são muitas. Mas nenhuma aspirante perde a cabeça quando lhe chamam “cenourinha” ou “laranjinha”. Porque, parece-me, que esta é a principal razão pela qual uma ruiva é fogosa. Tem de aprender desde cedo a defender-se contra as línguas maliciosas que teimam em apelidá-las de fruta ou vegetal. Não deve ser fácil.
A genética é caprichosa nestes aspectos. Ainda que atraente e de pele invejável, a ruiva é a espécie menos abundante neste mundo de mulheres cada vez mais insatisfeitas.

Comentários

M.Pedrosa disse…
Fazendo uma comparação um pouco forçada, depois de ler a "Crónica da Ruiva" fica-se com a sensação de que as " cenourinhas" são como os diamantes. Preciosidades pela raridade.

Mensagens populares deste blogue

A última vez | The Last Time

Desabafo de pouca monta, ou As voltas que esta cabeça dá: