E com o tempo vem o medo... O medo de crescer, da dor, da rejeição, de não ser o suficiente.
A despreocupação de criança é lentamente sufocada com as observações, as reacções.
O vento no cabelo não é apenas liberdade... Desfigura, preocupa.
A alegria de viver fica manchada com a desilusão.
Porque dói desiludir, porque não se pretende repetir.

Com o medo vem a distância. Uma barreira invisível que sufoca o medo. É mais seguro assim.
Não há desilusões, nem preocupações.

Com a distância vem o hábito... E a solidão. Porque afastar é mais fácil que ceder. Que dar o benefício da dúvida. Nem tão pouco é opção permitir a aproximação.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A última vez | The Last Time

Desabafo de pouca monta, ou As voltas que esta cabeça dá: