Poesia

De uma nuvem
Diáfana,
Ligeira,
Brilhante,
Poiso nesta realidade
Nua,
Crua,
Agreste.
Minha mão
Poisa em teus olhos
Para se demorar.
Minha boca
Saboreia o teu sorriso
Para acalmar.

Minha poesia é estar assim
neste amor por ti.

Mãos suadas,
Cabelos enredados,
Teias de seda
Tecidas por vontades.

Olhos baços,
Beijos quentes,
A vida é vivida
Nestes instantes.

Comentários

Leston Bandeira disse…
O poeta é um fingidor que finge tão docemente...
Pandora disse…
"Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente."
F. Pessoa
(http://www.revista.agulha.nom.br/fpesso14.html)

Mensagens populares deste blogue

A última vez | The Last Time

Desabafo de pouca monta, ou As voltas que esta cabeça dá: